saúde masculina, sexo

Humm… Doeu! | Mauro Barbosa Jr

Daí você está com sua parceira, ou seu parceiro, e depois de muitos beijos e carícias, chegam às vias de fato: a penetração!  E mesmo com toda a excitação, levando a uma boa ereção, na hora e durante penetração aparece a dor no pênis… Hummm.

Man covering groin with hands, outdoors, close-up

Dispareunia é a dor no genital persistente ou recorrente associada ao intercurso sexual  (Penetrações!) que pode afetar tanto as mulheres quanto os homens, sendo que este em menor proporção. Na população feminina a dor pode ser orgânica ou psicogênica, já na masculina as causas são de origem orgânica, física.  Em ambos os casos a dor pode aparecer no início, ao longo e ao fim da penetração.

Em ambas populações, a musculatura do assoalho pélvico pode estar envolvida. Mas comumente os fatores orgânicos, principalmente entre os homens, podem estar associados a algum processo inflamatório ou infeccioso, como por exemplo a Doença de Peyronie e as uretrites, causadas ou não por Doenças Sexualmente Transmissíveis. Nas uretrites (inflamação da uretra, infecciosa ou não) a dor pode surgir durante a ejaculação. Já no caso de Peyronie, a dor pode surgir durante a penetração, devido à curvatura adquirida do pênis advindo de um processo inflamatório que leva a formação de uma placa fibrótica no corpo peniano. Quando a dor a penetração for devido a uma curvatura inferior a 20° a fisioterapia dispõe de recursos analgésicos e anti-inflamatório para o tratamento.

A dor na ejaculação causada pela uretrite, uma vez descartada pelo médico sua origem inflamatória e/ou infecciosa, pode ter relação com uma hiperatividade (“tensão”) dos músculos perineais, que são vigorosa e ritmicamente contraídos durante a ejaculação. Neste caso a cinesioterapia dos músculos pelvi-perineais, enfatizando o relaxamento destes, é recomendado.

Outras possíveis causas de dispareunia masculina: freio bálano-prepucial curto,  anormalidades no ligamento suspensor do pênis e fimose. Mas sejam quais forem as causas da dor ligada à relação sexual, procure sempre orientação médica para um tratamento efetivo. Nos casos aqui listados de dispareunia sensíveis ao tratamento fisioterapêutico, fale com seu médico e procure por um fisioterapeuta pélvico.

E já que falamos em DST, use sempre camisinha! E em caso de dúvidas, busque aconselhamento nos serviços de saúde, públicos ou privados. Cuide-se bem!


16117355_1117231791708884_1254974044_nMauro Barbosa Jr (CREFITO 2: 78585F) é Mestrando em Ciências – Pós-graduação em Ciências Médicas/UERJ – pesquisa em saúde sexual masculina, Fisioterapeuta da Secretaria Municipal do Rio de Janeiro. Responsável pela ambulatório de fisioterapia em saúde sexual masculina na Clínica Vivace, Membro da Sociedade Brasileira de Estudos da Sexualidade Humana, Professor das pós-graduações da InterFISIO e Universidade Castelo Branco, módulo de saúde masculina.

Contato: maurolbarbosa@live.com

Atendimento: Vivace
Avenida Rio Branco, 185 – Sala 403 – Centro – Rio de Janeiro, RJ
(21) 3199-0400

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s