Nesta época do ano, é comum as pessoas aproveitarem o clima de festa e descontração para praticar relações sexuais casuais com parceiros eventuais, muitas vezes deixando de lado o uso do preservativo
saúde

Carnaval acende alerta para prevenção às DSTs; saiba os riscos que o sexo sem proteção pode causar também à saúde reprodutiva

A pouco dias do início do Carnaval, governos, Ministério da Saúde e instituições intensificam a campanha de prevenção às doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Nesta época do ano, é comum as pessoas aproveitarem o clima de festa e descontração para praticar relações sexuais casuais com parceiros eventuais, muitas vezes deixando de lado o uso do preservativo. O sexo, seja oral, vaginal ou anal sem proteção, pode ocasionar várias doenças, entre elas a AIDS, o HPV, a Sífilis, a Gonorreia, a Herpes e as Hepatites B e C. O principal foco das campanhas é a prevenção à AIDS, já que segundo o Ministério da Saúde, nos últimos dez anos, os casos da doença em jovens com idade entre 15 a 24 anos, aumentou 85% no Brasil.

Causada pelo vírus HIV, o contágio pela AIDS ocorre mais comumente por meio de contato sexual sem a proteção de preservativos com pessoa contaminada, podendo também ser transmitida por transfusão sanguínea e compartilhamento de objetos perfurocortantes.

A AIDS ainda não tem cura e gera uma grande instabilidade no sistema imunológico do portador, deixando-o mais suscetível e vulnerável a doenças consideradas oportunistas, que acometem o organismo quando a imunidade está baixa.

“A euforia não deve ser usada como desculpa para descuidar da saúde. Como a nova geração não assistiu à epidemia quando o HIV ainda não tinha tratamento, há uma falta de percepção sobre a gravidade do HIV, o que faz com que muitos negligenciem a importância do uso do preservativo. A maioria das doenças sexualmente transmissíveis são de difícil tratamento e podem trazer sequelas que muitas pessoas não costuma ficar sabendo”, explica o ginecologista e especialista em medicina reprodutiva Daniel Diógenes.

DSTs x Fertilidade

Além disso, a AIDS, assim como outras doenças sexualmente transmissíveis, como clamídia, gonorreia, HPV, herpes genital, sífilis e tricomoníase, quando não diagnosticadas e tratadas a tempo, podem evoluir para complicações graves, como a infertilidade permanente, principalmente nas mulheres, embora homens também sejam afetados.

“A população mais atingida pelas DSTs é a de jovens em idade fértil. As complicações são imediatas, causando inflamação nos genitais internos do homem e da mulher, que podem provocar a infertilidade de ambos. Apenas uma minoria percebe algum sintoma. As doenças inflamatórias da pelve são as grandes vilãs da fertilidade”, explica o médico especialista em medicina reprodutiva e diretor da Clínica Fertibaby Ceará, Daniel Diógenes.

Nas mulheres, elas costumam afetar a tuba uterina, que é o caminho percorrido pelos espermatozoides para chegar ao óvulo, inflamando-a e obstruindo-a, levando a mulher a desenvolver uma gravidez fora do útero, ou ectópica. Nestes casos, o feto não se desenvolve no local apropriado e, geralmente, não sobrevive, e, ainda que resista, durante a gestação, pode destruir as estruturas maternas e causar o nascimento de crianças com malformações. Durante o parto, podem atingir o recém-nascido, causando doenças nos olhos e pulmões.

“As infecções das DSTs podem ainda, em casos mais graves, gerar pequenos tumores. O tratamento pode resultar na retirada do ovário e da tuba atingidos, o que reduz significativamente a reserva ovariana. Assim, mesmo com tratamentos de reprodução assistida, a mulher encontra mais dificuldades de engravidar”, pontua o especialista. Nos homens, os efeitos podem ser a infecção do canal da urina, da próstata e do epidídimo, que é a parte do corpo masculino onde ocorre o amadurecimento dos espermatozoides. Quando afetada, a qualidade do sêmen pode ficar comprometida.

No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza gratuitamente o tratamento específico para a doença, com o uso de medicamentos antirretrovirais, o que ajuda os portadores a terem uma vida considerada normal. Com a melhora da qualidade e da expectativa de vida, muitos portadores querem formar família. Para isso, teriam de descumprir a principal recomendação dada pelos médicos: usar sempre camisinha. Dessa forma, uma das possibilidades para os casais em que um dos parceiros tem HIV e que há o desejo de gerar um filho, é recorrer à reprodução assistida, reduzindo ou zerando as chances de infecção do cônjuge.

Quando o homem é o portador do vírus, o processo para que não ocorra a contaminação da parceira é simples. O sêmen é recolhido e analisado para ver a taxa viral que o homem carrega. Caso seja muito alta, o tratamento é anulado e o espermatozoide não poderá ser utilizado, mas se o número for baixo, o sêmen passa por um processo de lavagem, no qual o vírus é retirado completamente. Depois, o espermatozoide é inserido direto no útero ou fecundado no óvulo ainda no hospital, e em seguida, plantado no útero da mulher. Com esse processo, a probabilidade da criança ter o vírus é zero.

“Quando a mãe é soropositiva, a chance da criança ser contaminada é somente na hora do parto pelo contato com o sangue. Para que isso não aconteça, antes do parto é feita a Terapia Antiretroviral na mãe, o que diminui a taxa viral, além do parto ser feito por meio de cesárea eletiva”, explica Daniel.

CLÍNICA FERTIBABY

Referência nacional na medicina reprodutiva, a clínica FERTIBABY chega ao Ceará com uma equipe de peso especializada em tornar realidade o sonho de ter um filho. Fundada em 2008, em Belo Horizonte, pelo médico embriologista Leonardo Meyer, a FERTIBABY coleciona altos índices de sucesso e se destaca pela procura de pacientes de todo o Brasil. Com a primeira unidade implantada fora do eixo Sudeste em Fortaleza, a clínica chega para atender a demanda das regiões Norte e Nordeste. A FERTIBABY Ceará, resultado da sociedade dos médicos Daniel Diógenes e Lilian Serio, funciona no Hospital Jório da Escóssia, com atendimento durante a semana, de 8 às 20 horas e, aos sábados, das 8 às 13 horas.

Tendo como diferenciais o atendimento individualizado com tratamentos específicos para cada paciente, a FERTIBABY estará sempre se aprimorando e evoluindo, ajudando na busca por um filho. Entre os procedimentos disponíveis, estão os tratamentos de alta complexidade, como: fertilização in vitro; congelamento de óvulos; espermatozoides e embriões E diagnóstico genético pré-implantacional (PGD); e de baixa complexidade, como: coito programado e inseminação intrauterina; além de exames como espermograma e de monitoramento da ovulação.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s