Coringa
depressão, saúde

O que o filme do Coringa nos mostra sobre a saúde mental

Entender a relação entre o filme Coringa e os fatores relacionados à assistência — ou não — à saúde mental é primordial à compreensão dos impactos gerados no comportamento das pessoas que têm essa doença. No filme, Coringa é o apelido do personagem central, Arthur Fleck, que luta para sobreviver em uma sociedade hostil, marcada pelo descaso do Governo com as questões estruturais como oportunidades de emprego, saúde e segurança pública, principalmente.

Fleck mora com a mãe, senhora Penny, idosa e doente, e que depende dos cuidados do único filho para sobreviver. Durante o dia, ele trabalha como palhaço de aluguel em instituições para crianças com câncer. Já à noite, ele cuida da mãe e, eventualmente, se apresenta como comediante de stand-up, já que alimenta o sonho de viver dessa profissão.

O psiquiatra Marcel Vella Nunes, do Hospital Santa Mônica, comenta “Logo no início do filme, nosso personagem principal apresenta os primeiros sinais da falta de tratamento psiquiátrico e dos efeitos que isso gera tanto ao doente como à família e à coletividade. Sem amparo da Saúde Pública, ele deixa de receber seus remédios controlados e se torna cada vez mais triste, depressivo e agressivo.”

O médico salienta ainda que ao que parece Arthur desenvolveu a síndrome pseudobulbar, doença caracterizada por riso ou choro descontrolado e que surge por diferentes razões. Dois principais fatores que provavelmente contribuíram para sua condição foram a falta de afeto pela ausência do pai e os maus tratos na infância. Porém, com o passar dos anos, os sintomas tornam-se cada vez mais frequentes e dominam o personagem ao ponto de Fleck ser visto como ridículo, estranho e ignorado pelas pessoas.

No desenrolar das cenas, o autor deixa bem claro que Coringa é composto pela multiplicidade de sintomas de uma sociedade extremamente desigual. O estado mental de Fleck somado à sua vulnerabilidade social influencia o comportamento dele e o torna cada vez mais ameaçador, violento e cruel.

Porém, de forma brilhantemente sutil, o autor da obra infiltra o espectador na realidade vivida pelo Coringa a fim de transmitir a mensagem principal do filme: as doenças mentais exigem atenção e cuidado especial. Logo, a sociedade precisa entender melhor sobre o que são os transtornos mentais e refletir sobre o que pode acontecer quando os seus “Coringas” são negligenciados.

Importância dos tratamentos mentais

Nas últimas décadas, a prevalência dos transtornos mentais na população brasileira está cada vez maior. Pesquisas recentes publicadas amplamente pela mídia revelam que a situação é realmente preocupante: cerca de 86% dos brasileiros apresentam algum tipo de desequilíbrio mental.

Mesmo que a incidência seja maior nos jovens, esses transtornos podem surgir em qualquer idade. A projeção para os próximos anos sugerem a necessidade de mais atenção a essa área de saúde — sobretudo nas pessoas de mais idade — já que a tendência às doenças neurodegenerativas é maior.

Dr. Marcel comenta que “Nessa perspectiva, melhorar a assistência à saúde mental e disponibilizar intervenções mais eficazes para esse público é fundamental. A atenção à integridade mental é uma forma de proporcionar uma vida mais digna, saudável e livre de doenças crônicas ou incapacitantes.”

Falta de atenção da Saúde Pública

A Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) divulgou que o panorama da saúde nas Américas exige mais investimentos públicos para suprir as necessidades da população de risco. Segundo o documento, os recursos destinados à saúde mental representam apenas 2% do orçamento dos países. 

Essa ausência de apoio da Saúde Pública expõe a sociedade aos riscos que um indivíduo sem tratamento representa. A ausência de um suporte público de qualidade gera muita dificuldade para a obtenção das medicações e do apoio necessário ao controle dos transtornos mentais. Com isso, a sociedade se torna vítima das vítimas do descaso público com a saúde mental.

Assim como Arthur Fleck, a maioria dos doentes mentais são ignorados tanto pelo governo como pela sociedade. Nesse contexto, a intrínseca relação entre o filme do Coringa e saúde mental é um dos pontos que mais levam à reflexão: o número de “Coringas” infiltrados na população e a dificuldade deles para conviver com a falta de tratamento resultante do descaso dos agentes responsáveis pelas intervenções nessa área.

Vale destacar, porém, que o nível de comprometimento da doença deve ser considerado, já que nem todas as pessoas com problemas mentais apresentam perfil ameaçador. No entanto, independentemente do tipo de distúrbio mental, faz-se necessário a busca de ajuda profissional antes que a doença evolua para situações mais graves.

Além dos riscos significativos que a falta de tratamento simboliza, os prejuízos à saúde — mental, emocional e física — também surgem como consequências dessa falta de assistência do Governo a essas pessoas que enfrentam problemas de ordem psiquiátrica.

Entre as complicações que ajudam na compreensão do contexto entre o filme do Coringa e a saúde mental, destacam-se:

  • comprometimento do aprendizado na idade escolar ou na vida adulta;
  • problemas de relacionamento pessoal, social e afetivo;
  • problemas cognitivos e de desenvolvimento motor;
  • dificuldade para conseguir se manter no emprego;
  • falta de concentração;
  • raciocínio mais lento;
  • confusão mental;
  • risco de suicídio;
  • agressividade;
  • irritabilidade;
  • depressão.

Arthur Fleck, em uma de suas reflexões, destacou uma frase que comprova, claramente, a problemática da saúde mental na sociedade: “o pior problema de ter um transtorno mental é que as pessoas esperam que você se comporte como se não a tivesse.”

Isso exemplifica a necessidade de buscar tratamentos para preservar a estabilidade desses indivíduos e reduzir os impactos desse problema sobre a sociedade. Nesse sentido, compreender a relação entre o filme do Coringa e a saúde mental pode levar à conscientização da população sobre a relevância do tema e o quanto a assistência adequada pode fazer a diferença.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s