comportamento, psicologia

Por que mentimos?

A mentira é uma afirmação ou negação falsa que tem como objetivo fazer com que o outro acredite no que você diz para ter algum tipo de benefício. Diferente de um jogo de poker, onde as falsas informações são esperadas, na mentira há a possibilidade da pessoa em falar uma verdade ou inverdade, mas ele opta por esta última para ter algum tipo de vantagem.

De acordo com o canal Psicólogos Berrini, há cinco razões para uma pessoa mentir:

  1. Autodefesa: sendo uma forma de autopreservação. Questões como baixa autoestima, falta de auto controle e outros motivos como ansiedade e depressão faz com que a pessoa minta para se defender;
  2. Controle: pessoas controladoras mentem para ter o controle das situações. Elas utilizam deste artifício para manter seu poder;
  3. Medo: é comum que a pessoa, por medo de confrontar determinada situação, minta para evitar o confronto. O objetivo é não perder a aceitação social ou individual, manter sua reputação ou evitar querer decepcionar outra pessoa;
  4. Inclusão: semelhante ao ponto anterior, é comum que a pessoa minta para se sentir incluída em determinado segmento. É o caso da pessoa que diz que “viajou para tal lugar também’ ou que “ama determinado programa de TV”;
  5. Aumentar a verdade: as histórias reais podem ser um pouco “sóbrias” demais, então é comum que as pessoas “floreiem” ou “dramatizem” para criar memórias fascinantes.

A mentira faz parte da vida e todo mundo já mentiu alguma vez na vida, por mais verdadeira e transparente que a pessoa seja. No entanto, isto se torna um problema quando a pessoa sofre de mitomania, que é um processo patológico, ou seja, uma “doença de mentir”. Para reconhecê-lo, há certas características:

  • O mitômano são sente culpa ou medo do risco de ser descoberto;
  • As histórias tendem a ser muito felizes ou muito tristes;
  • Conta grandes casos sem motivo aparente ou ganho;
  • Respondem de forma elaborada a perguntas rápidas;
  • Fazem descrições extremamente detalhadas dos fatos;
  • As histórias o fazem parecer herói ou a vítima;
  • Versões diferentes das mesmas histórias.

O tratamento para o mitomaníaco precisa combinar a psicologia com a psiquiatria, o último para aliviar sintomas de ansiedade e depressão para caso a pessoa diga a verdade, e o psicólogo para iniciar as mudanças de hábitos.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s