psicologia

Saúde mental se destaca como símbolo das Olimpíadas de Tóquio

Os Jogos Olímpicos de Tóquio começam oficialmente nesta sexta-feira (23), mas já provaram que o tema desta edição será a importância da saúde mental para os atletas. Os australianos Ryan Broekhoff e Liz Cambage, representantes do basquete masculino e feminino, abriram mão da competição em nome da saúde mental.

Por outro lado, o atual campeão olímpico de arremesso de peso, o americano Ryan Crouser, revelou que investiu muito no trabalho de preparação psicológica para conseguir repetir o ouro olímpico. Segundo o atleta, a ansiedade afetava negativamente o seu desempenho nas competições.

De acordo com a Dra Livia Castelo Branco, psiquiatra, Coordenadora do Núcleo de Sexualidade da Holiste Psiquiatria, as questões psicológicas afetam diretamente o rendimento dos atletas profissionais e, inclusive, podem diminuir o risco de lesões.

“O acompanhamento psicológico é essencial nos momentos de conflitos, grandes decisões ou estresse, pois facilita o controle de sintomas como ansiedade, medo, tristeza e raiva. Lidando melhor com os próprios sintomas, é possível melhorar a concentração, relacionamento com a equipe, redução do risco de lesões e de comportamentos que possam prejudicar o time”, explica.

Atletas que ‘travam’ sob pressão

A psiquiatra lembra que existem casos emblemáticos de atletas que travam na hora de uma competição. Esse comportamento de paralisação pode estar associado à ansiedade em momentos tensos da competição. Os esportistas sonham em poder participar de uma olimpíada, mas todo o processo de preparação e a disputa em si são situações que exigem muito da mente e não só do corpo. Por isso, o acompanhamento psicológico já é realidade nas delegações.

A cobrança excessiva por resultados, regras exageradas para a rotina, episódios de violência psicológica, restrição de momentos de lazer e descanso, associados à falta de suporte emocional no ambiente de competição, aumentam o estresse do indivíduo, que se tiver vulnerabilidade a transtornos mentais e pouca resiliência, pode desenvolver sintomas ansiosos, depressivos e, em casos mais graves, problemas com álcool ou drogas”, detalha.

Falando sobre Saúde Mental 

No começo do ano, a segunda melhor tenista do mundo, Naomi Osaka, abriu o jogo sobre saúde mental. A atleta revelou sofrer de crises de depressão desde o título do Aberto dos EUA de 2018 e afirmou que ficaria longe das quadras por tempo indeterminado. Felizmente, o acompanhamento médico se mostrou efetivo e Osaka vai representar o Japão nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Para Livia Castelo Branco, o posicionamento de estrelas como Naomi Osaka são importantes porque reforçam que o sofrimento psíquico tem tratamento.

“O relato de pessoas famosas de diversos setores na sociedade, mostrando que o sofrimento psíquico em muitos momentos é desnecessário e tem tratamento, contribui com a desmistificação da saúde mental e encoraja as pessoas a compartilhar suas lutas, ajudar-se mutuamente e procurar auxílio profissional”, aponta.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s